quinta-feira, 25 de maio de 2017



A Promoção da Diversidade passa pelo reconhecimento dos Direitos ao convívio Cultural       /Declaração Universal dos Direitos Humanos/ONU.                                                                 *Wilson Rodrigues de Andrade

         Consagrada no contexto da liberdade de expressão, oportunidade de dialogo, também o Direito ao saber da nossa ancestralidade – os meios e espaços para a criatividade e o processo de inovação; combinar o passado para inovar no momento presente de forma intercultural e permanente – o Dialogar com o saber fazer da vida e pela vida de todos. Em termos de BRASIL – Vivemos um movimento intenso de culturalização em toda parte, o procurar preservar nosso Manancial Cultural – este passar por períodos necessários no campo civilizatório. Portanto, em nosso Território, a Cultura vive no Processo de fortalecimento do cenário de brasilidade cidadã plena, e o conseqüente Desenvolvimento Humano. Território Continente.   O debate público ( o que vem acontecendo/ a Caravana p/ dar sustentação ao que já foi e esta sendo produzido...) demonstra que a qualidade de vida não pode ser vista, tão somente, na ótica do desenvolvimento material, mas como apropriação continua do Patrimônio Imaterial, esse pelos cidadãos e cidadãs; e a criação do rico imaginário deste Povo multiétnico, a partir da Diversidade Cultural. A palavra ‘Diversidade’, é forte, remete-nos a territorialidade, pois cada vez esta diversidade se dá mais por territórios, de pertencimento, e não por localidades ou comunidades fechadas. No expandir-se, há de se comparar o seu rico conteúdo, suas expressões e a manifestação localizada... Há necessidade de Leis de Incentivo cada vez mais direcionado ao Desenvolvimento do Setor Cultural em curso, e suas ramificações – o acompanhar suas mudanças, e cabe aos entes da Federação assim procederem também.
Diversidade Cultural – passa a compor estratégia de mudanças e de construção de novos paradigmas do aspecto populacional e suas manifestações e suas expressões. Documento da UNESCO/ Organização da ONU para Educação, Ciência e Cultura, afirma que tão importante quanto o processo democrático e as oportunidades econômicas – é a Diversidade Cultural.   Portanto, ao focalizar o Século XX – foi o Século das Ilusões extremas. Os conflitos não foram sanados. O que veio dele foi a impulsão das guerras, o desenvolvimento de Movimentos  intolerantes diversos, os regimes ditatoriais e extremistas – e vários destes, surgiram em nome de transformação dos seres humanos ( dos homens e das mulheres), cheio de melhorias e ilusões...Se pensarmos em todas as convulsões  sociais e políticas, o Século XX foi de Violência extremada não  dando lugar a expansão Cultural e suas reminiscências, porém, surge a Indústria Criativa e suas ferramentas para o valorizar de indivíduos e a coletividade estes comprometidos e envolvidos, e ao tornar-se os facilitadores da  Cultura de PAZ.   *Wilson Rodrigues de Andrade/Sec. - Geral do COMPAZ – Jornalista e Poeta Promotor cultural/ Produtor Editorial da Folha Cultura/FC.

 




                                                                      


                                                

 ___________________________________________________________________
Nós do Comitê pela PAZ/COMPAZ – Organização da Sociedade Civil Não - Governamental/ONG. Pacifista-Cultural - Entidade em Condições de Defesa e Apoio ao Interesse Público e/ou Privado do Centro Sul- Fluminense, Vale do Paraíba do Sul e de seu entorno – com atuação nos Conselhos Municipais de Direto, e Parceria das demais Organizações da Sociedade Civil – caracterizada pelo propósito de iniciativas conjuntas rumo ao Desenvolvimento Sustentável na Vida das Comunidades, através do Departamento Editorial, Divulgação, Artes de Cultura - C/DEDAC - trazemos aos Senhores (as) – na medida em que adotarem Estratégias e Programas, Projetos e Encontros permanentes para elaborar e colocar em Ação a efetiva valorização das Manifestações, Expressões e Conteúdos artísticos - históricos - culturais e urbanísticos - turísticos - ambientais, e da preservação, promoção e proteção do Patrimônio material e imaterial de nossas Localidades. E, assim, Visar o pleno crescer e, não, e tão somente resultados de Ações, e sim, possibilitar frutos de iniciativas compartilhadas na Caminhada pelo Pacifismo - Cultural. 
                                                              Wilson Rodrigues de Andrade- pela  Redação/Folha Cultura/FC.
       
 Preserve conosco o ideário pela Cultura de PAZ!! COMPAZ / DEDAC- N-PED/FC.



Quando a Humanidade puder dispor abertamente do enorme repositório Cultural na Consciência e na Memória de todos os Povos, o Diálogo será de PAZ e de Felicidade. Estará definitivamente sepultada a ameaça de guerra e de destruição.
                                                                                                                                           Costa Andrade/Poeta angolano

terça-feira, 23 de maio de 2017

MARIA APARECIDA BRAVO. Nossa eterna gratidão. Bravo!!!!


         Nós da Comunidade Cultura e Artística e Imprensa com pesar informamos falecimento de Maria Aparecida Bravo, acorrido neste, 23 de Maio de 2017, Cida para os amigos, nascida a 23 de agosto de 1924, na então Vida de Entre- Rios, no seio de importante família da Região era filha de Carlota Xavier Bravo e Luiz Bravo Filho, sobrinha do escritor e primeiro prefeito constitucional de Três Rios, Guilherme Bravo, e neta do memorável jornalista Luiz Bravo, fundador do célebre Jornal Arealense e Ela que marcou atuação autonomista já no início da campanha separatista em 1927. Desde muito jovem, já seguia talento familiar, participou intensamente da Vida Cultural de Entre - Rios /Três Rios. Poeta, trovadora, cronista, historiadora, dedicada radialista e carnavalesca e produtora de Enredos para diversas Escolas de Samba. Cida colaborou em nossos periódicos Impressos, publicou vários livros de crônicas e de poesias, entre os quais figura o seu – Retalho do Tempo / publicado pela Nova Gráfica- Três Rios. 




                                          

Foi Presidente da extinta Academia Trirriense de Letras e Artes/ATLAS, e foi em sua gestão, nos anos 70, que promoveu a EXPATLAS – importante Exposição que reuniu a produção de importantes artistas regionais e alguns nacionais. M. Aparecida Bravo esteve na Presidência do Conselho Municipal de Cultura por longo período e Conselheira deste colegiado, e sempre com a singular dedicação com a simpatia e nobreza de presença, Cida, a querida companheira pacifista – cultura, foi velada em Capela mortuária do Cemitério Municipal São José no Centro de Três Rios/RJ, e ali sepultada. Cida para os Amigos... MARIA APARECIDA BRAVO/ Membro- fundadora do COMPAZ. Nossa eterna gratidão. Bravo!!!!

                                Com afeto de : Wilson Rodrigues de Andrade/ 24/Maio/2017.

domingo, 21 de maio de 2017

Confederação de Municípios e agência da ONU lançam Guia para promover objetivos globais

                                                                                   (Via UNIC-Rio/COMPAZ/FC) Publicado em

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançaram o “Guia para Integração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)” durante a 20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, encerrada em 20 de Maio de 2017, em Brasília/ DF- Brasil

         A proposta da publicação é orientar prefeitas e prefeitos na promoção dos ODS no nível municipal e no planejamento de políticas públicas para o alcance da Agenda 2030.

 A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançaram o “Guia para Integração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” durante a 20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, encerrada na quarta-feira (20) em Brasília.


A proposta da publicação é orientar prefeitas e prefeitos na promoção dos ODS no nível municipal e no planejamento de políticas públicas para o alcance da Agenda 2030, com crescimento econômico, erradicação da pobreza, equilíbrio ambiental e fortalecimento institucional.
“Esse material tem o propósito de auxiliar os gestores municipais a integrar os ODS aos Planos Municipais Brasileiros no período de 2018-2021. Não adianta pensar esses objetivos de forma isolada. Para avançar nessa agenda, temos de pensá-la de forma interligada ao planejamento da gestão municipal”, afirmou o Presidente da CNM, Paulo Ziulkoski
Na opinião do diretor de país do PNUD, Didier Trebucq, gestores municipais são importantes aliados para o cumprimento da Agenda 2030 no País.“Estamos no início da implementação dessa agenda, a qual prevê esforços globais de todos e todas para que se tenha um mundo mais justo e inclusivo no ano de 2030. Daí a importância desta publicação, quando os mandatos dos novos prefeitos brasileiros estão começando, pois todos enfrentarão desafios importantes nos próximos anos”, disse.

            Na publicação, gestores municipais têm acesso a informações sobre sensibilização para o alcance da Agenda 2030, identificação das reais necessidades e definição de prioridades, estabelecimento de estratégias para o cumprimento dos ODS e ferramentas para monitoramento e avaliação de políticas públicas.
O Guia apresenta ainda um conjunto de indicadores para as quatro dimensões do desenvolvimento sustentável: institucional, ambiental, econômica e social. Dessa forma, a publicação apresenta aos gestores no início de seus mandatos a realidade de seus Municípios e colabora para o fortalecimento de ações integradas.
“A localização é essa ideia de chegar no território, e colocar  os ODS na prática, na implementação concreta nas localidades, nos Municípios. E é com esse acompanhamento das ações nos territórios, nos Municípios, por meio de indicadores quantitativos, que se pode avaliar o progresso, o desenvolvimento em várias dimensões. O Guia é uma excelente ferramenta para colaborar com os gestores municipais para o alcance da Agenda 2030”, afirmou o assessor sênior do PNUD, Haroldo Machado Filho.
A publicação está disponível para download aqui.
Para mais informações sobre a Agenda 2030, acesse www.agenda2030.org.br.

quarta-feira, 17 de maio de 2017



C/ NaArt - Vale inicia mobiliza de  Cadastramento  da Comunidade Artística- Cultural para promover parcerias  na Região/Alvo.

               Em consonância com os objetivos e seus esforços na caminhada do COMPAZ – o Programa C/Divers’ Art. - Valea partir das Expressões e Conteúdos Artísticos - Culturais, fomento, difusão, preservação, promoção e produção de Imagem e Som, das Artes e Ofícios; e com apoio a criação de condições para oportunidade de inclusão do potencial produtivo regional.  Somar Parcerias para Ação/Cidadã com a Comunidade Sócio -Artística - Cultural, alicerçados no rico potencial de criatividade no Campo do Artesanato / da Música / da Dança / das Artes Cênica  e Circenses / da Literatura e Editoriais /do Audiovisual e Similares; e, diante  da retomada de iniciativas sempre  salutar, e, do novo momento do Comitê pela PAZ /COMPAZ /ONG. Pacifista – Cultural o Processo de revitalização em curso – envolver a Região Centro - Sul Fluminense, Vale do Paraíba do Sul e seu entorno, também, e para o permanente despertar no campo ambiental, turística, histórica, geográfica,  deste modo posicionar a Região/Alvo – excepcional busca da valorização, a partir, também da  inclusão  no  Setor da Economia Criativa  e na Economia Solidária– a que apresenta alternativas  sustentáveis na atuação com trabalho e renda proposta pelo COMPAZ/ NV – Núcleo de Artesanato e Artes  rumo a  Qualidade de Vida  dos envolvidos, os nossos  Cadastrado  com Exposição permanente em todas as Edições do Fest’ Art -Paz.




         FOLHA CULTURAL Festival Show de Artes pela PAZ.    Mobilização da Comunidade Artística - Cultural da Região/Alvo para Produção de Edições do FEST’ Art - PAZ. A captação colaborativa e participativa de recursos humanos e de finanças, e consolidar assim o Processo de revitalização do COMITÊ pela PAZ/COMPAZ - Organização da Sociedade Civil Não- Governamental / ONG. Pacifista- Cultural em Condições de Defesa e Apoio ao Interesse Público e/ou Privado...           A Produção do FEST’ Art. - PAZ / Parceiros e Agentes de Apoio – no propósito de proporcionar maravilhoso exercício de intercâmbio do potencial da Economia Criativa/EC.  e  no Processo da Economia Solidária/ES.  (sócio - turístico e artístico - cultural entre nossas Localidades), com muita Música, Sonorização/ambiente e Multimídia que darão o tom do rico  Conteúdo das Expressões e Manifestações  Culturais de Nossa Gente do Centro-Sul Fluminense, Vale do Paraíba do Sul e seu entorno    marcar assim, o início das Edições e a volta dos  grandes momentos das Gincanas Interbairros e  Intermunicipais. P/ FC #   WR, Andrade /P/ Produção - Executiva / F’ Art – PAZ.

    

             COMPAZ – ONG. Pacifista-Cultural – Desde 1985 ==

    Promovemos Vida Cultural Ativa em nossa Região/Alvo!

domingo, 14 de maio de 2017

Um dia de Campo pelas Bandas do Paraíba com a ‘Trilhos do Rio’

          Manhã na Estação Ferroviária orgulho histórico dos paraibanos que na atualidade abriga Exposição permanente de Associações de Artesãs e Galeria de Artes. Com muita descontração e nostalgia entre ferroviários e descendentes na busca do resgate e preservação histórica da FERROVIA que tantas recordações nos trás. Engenheiros e Condutores de Trens da Associação Ferroviária Trilhos do Rio nos brindou com informações da caminhada e resultados alcançados.  
TROLLER FERROVIÁRIO TRILHOS DO RIO – Este FERREOCAR ou TROLLER é um veículo ferroviário, foi projetado por uma equipe de Engenheiros e Técnicos da FERREOTEC – TECNOLOGIA FERROVIÁRIA com a finalidade de inspecionar linhas ferroviárias desativadas ou extintas, bem como fazer excursões de exploração e turismo nas mesmas. Os visitantes e membros da A.F. Trilhos do Rio – além de uma breve verificação das condições do pátio da Estação local partimos para reconhecimento do trecho em Werneck, objetivo de inauguração seguido de ajustes no Ferreocar.

Em fotos: Estação de Paraíba do Sul — com Mario Justino, Carlos Assis e Wilson Rodrigues De Andrade e Adv. Antônio Maximiano de Oliveira e

Com Wilson Rodrigues De Andrade, Edson Vander Teixeira, Weiller Marques, Fábio Paixão Assunção, Mario Justino e 'Dado' Eduardo Pereira Moreira. Foto- social e oficial da nossa A.F.TRILHOS DO RIO com alguns membros -colaboradores no incentivo da preservação ferroviária em Paraíba do Sul. A Linha de Werneck No momento compõe o antigo trecho da ex-E.F.MELHORAMENTOS DO BRASIL e LINHA AUXILIAR (EFCB) em testes com o nosso FERREOCAR. Foto em 07//05/2017 do "Centro Sul Notícias".








Foto- social e oficial da nossa A.F.TRILHOS DO RIO com alguns membros- colaboradores no incentivo da preservação ferroviária em Paraíba do Sul.



  No momento em que estamos  neste antigo trecho desta ex-E.F.MELHORAMENTOS DO BRASIL e LINHA AUXILIAR(EFCB) em testes com o nosso FERREOCAR. Foto em 07//05/2017 do "Centro Sul Notícias". Do nosso amigo Maninho com Edison Vander V. Teixeira, Wilson Rodrigues De Andrade,  Antônio Maximiano Weiller MarquesFábio Paixão Assunção, Carlos AssisMario Justino'Dado' Eduardo Pereira Moreira , Celso Sakas, Cleiton Pieruccini. Adv. Nelson Visconti.






sábado, 13 de maio de 2017

Escravo africano – Mãos e Pés na construção da Civilização brasileira

                        * De: Wilson Rodrigues de Andrade /FC. (pesquisa e organização editorial)

A brasilidade passa pelo resgate de nossa africanidade, suas manifestações, seus costumes e seu legado; resultando, assim, nossa Pátria Mestiça.
A preservação histórica- econômica e sociocultural, exige de cada um de nós, respeito e gratidão para com os laços da diversidade/identidade étnica no contexto de nossa herança. Hoje. Os valores que carregamos na alma; o legado na música, e sua musicalidade acompanham seu gingado, a literatura, suas tradições, o envolvimento das expressões e conteúdos materiais e imateriais. Tudo em forma de Canção.   Sua contribuição consistiu em trazer as impressões artísticos e culturais, organizações e movimentos políticos e sociais  negros  para o centro da cena,  entre escravizados e forros, trânsitos de africanos livres  por entre África e  Brasil, e  outros  no mundo transatlântico  após 1.822. Os que sofreram injustiças conseguiram transformar em diálogos entre culturas. ‘ quem excluir a África da História não entenderá o Brasil’ WRA/12.


A Promoção da Diversidade passa pelo reconhecimento dos Direitos ao convívio Cultural        /Declaração Universal dos Direitos Humanos...